Blackitchen: sanduíches com a cara da gastronomia potiguar

Eram 22h40 de um domingo e eu com uma fome pós-Circuito Cultural da Ribeira. Quase nada em Natal fica aberto até essa hora e foi uma felicidade quando o garçom disse que eu ainda podia usar os 20 minutos seguintes para fazer o pedido na Blackitchen.

No cardápio, cerca de seis tipos de pães: rapadura, jerimum, milho e leite de coco, leite fresco, beterraba e cenoura, espinafre e manjericão. Junto disso, burguers de frutos do mar, carne de bode e porco, além do bovino tradicional. São harmonizações fora da curva e é um lugar pra se provar algo diferente do “de sempre”. Por favor, se permita uma nova experiência.

Rapaburguer: sanduíche feito com pão de rapadura. (Foto: Fábio Cortez)
Rapaburguer: sanduíche feito com pão de rapadura. (Foto: Fábio Cortez)

Eu escolhi provar o Rapaburguer (foto acima, R$17): pão de rapadura, hambúrguer bovino caseiro, queijo de coalho, rapadura líquida, macaxeira palha e dijonnaise de cheiro verde. Escolhi certo! O sabor do pão é marcante e o queijo de coalho salgadinho contrasta com a rapadura líquida. A macaxeira palha dá uma textura crocante incrível e essa dijonnaise pode ser comida de colher, no cream cracker, direto no pão, dá pra passar na vida!

O cara por trás dessa maravilha é o chef Marcos Nery, que já trabalhou com grandes nomes como Henrique Fogaça, Erick Jacquin e Alex Atala em São Paulo e fez parte da equipe que cozinhou para o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) durante a Rio 2016. Em relação à escolha por ingredientes regionais, ele afirma que “os melhores produtos estão aqui”. “É uma mistura de litoral com sertão muito boa. Se a gente pode usar o nosso, pra quê usar o dos outros?”, disse o chef em entrevista dada ao NOVO.

O cardápio de sobremesas conta com profiteroles, mil-folhas de doce de leite com queijo do reino e, o que eu escolhi, um pain perdu de brioche do sertão caramelizado no açúcar e canela com creme de queijo, doce caseiro de frutas vermelhas servido com sorvete de tapioca (Sorvete Tropical) e praliné de castanha de caju.

Pain perdu de brioche do sertão.
Pain perdu de brioche do sertão (cerca de R$19)

Quem, assim como eu, gosta de provar coisas novas, precisa provar essa combinação de França com Nordeste brasileiro porque é uma mistura de sabores e texturas que vão te fazer agradecer por o mundo da confeitaria ir muito além de chocolate. Só ficaria melhor se o sorvete de tapioca fosse o da Icebode.

Para quem quiser conhecer, a Blackitchen funciona de terça a domingo, das 18h às 23h, dentro do CCAB Petrópolis, na Av. Afonso Pena. Eu indico a ida na terça ou na quarta, porque tem uma promoção de batata selvagem (com alho e alecrim) por R$1.

7 comentários em “Blackitchen: sanduíches com a cara da gastronomia potiguar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s